Testes de micotoxinas

Confiança, segurança e qualidade com nossos testes de micotoxinas para grãos.

Garanta segurança e conformidade na detecção de micotoxinas em grãos

As micotoxinas, que são produzidas por fungos, são frequentemente associadas a mofos, mas a contaminação nem sempre é visível. As micotoxinas nos alimentos são venenosas para humanos e para animais, exigindo testes sensíveis e confiáveis para sua detecção. As micotoxinas são frequentemente produzidas durante o armazenamento de grãos, resultantes de uma grande variedade de condições relacionadas ao teor de umidade do ar, temperatura, período de armazenamento e danos durante o processamento e o transporte da colheita. Algumas micotoxinas contidas nos alimentos produzem sintomas agudos, com doenças graves rapidamente contraídas. Outras micotoxinas causam efeitos cumulativos ou crônicos sobre a saúde, incluindo problemas reprodutivos, inibição do crescimento, imunodeficiência e câncer.

Como resultado, as micotoxinas representam uma séria ameaça para todas as etapas do suprimento de alimentos, causando, além de riscos para a saúde, perdas econômicas significativas para criadores de animais, produtores de sementes e grãos, bem como riscos de regulação e conformidade para moinhos e processadores de grãos. As culturas mais comumente contaminadas com micotoxinas são trigo e milho. 

Micotoxinas no Milho

As micotoxinas mais comuns no milho são aflatoxina, fumonisina e deoxinivalenol (DON), também chamada de vomitoxina. 

Cada vez mais o milho está sendo usado para produzir etanol. Os DDGS, grãos secos de destilaria com solúveis, um coproduto da produção de etanol, é usado como um componente de alimentação animal para suínos. No DDGS, as micotoxinas do grão original se concentram, resultando em uma perda estimada de US$ 18 milhões por ano na indústria suína dos Estados Unidos, conforme constatado pela Sociedade Norte-Americana de Fitopatologia, o que, por sua vez, está aumentando o impacto econômico das micotoxinas no milho.

A detecção de micotoxinas no milho resulta em um preço reduzido ou rejeição no comércio local, bem como na exportação. Dados apontam que as aflatoxinas no milho, sozinhas, causam nos EUA um impacto de aproximadamente US$ 225 milhões/ano.

As taxas de contaminação são altamente relacionadas com o clima. A aflatoxina, por exemplo, cresce em clima quente e seco em culturas de milho sob estresse de seca, calor ou insetos. Em geral, o milho está em risco de contaminação por micotoxinas em temperaturas variando de 26 a 37 graus Celsius e uma umidade relativa de 85% (18 a 20 por cento de umidade no grão).

Para detectar com precisão a presença de micotoxinas no milho, EnviroLogix oferece uma gama completa de testes de detecção.

Micotoxinas no Trigo

As micotoxinas que contaminam o trigo são aflatoxina, deoxinivalenol (DON), zearalenona (ZON), fumonisina, ocratoxina e toxina T-2.

O trigo é o grão mais amplamente cultivado em todo o mundo com base na área cultivada e a colheita de trigo ocupa o terceiro lugar com base no volume de produção total. No ano safra 2015/16, 737 milhões de toneladas métricas de trigo foram produzidas em todo o mundo.
Em todo o mundo, os principais produtores de trigo incluem União Europeia, China, Índia, Rússia, Ucrânia e Estados Unidos.

As micotoxinas causam graves impactos financeiros em culturas como trigo e milho. De acordo com a FAO, Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura, 25% das culturas mundiais são afetadas por micotoxinas a cada ano, com perdas anuais de cerca de 1 bilhão de toneladas métricas de alimentos e produtos alimentícios. As perdas econômicas decorrem de quatro fontes principais: 1) doenças que causam baixa produtividade agrícola; 2) contaminação de micotoxinas que reduzem o valor da cultura; 3) problemas de saúde relacionados às micotoxinas, causando perdas na produtividade animal; e 4) custos de saúde humana. Sem contar os custos de saúde, os relatórios avaliam as perdas financeiras em aproximadamente $ 1-5 bilhões por ano.

As micotoxinas podem ser particularmente problemáticas no trigo e outros grãos de cereais porque, uma vez que produziram micotoxinas, são quimicamente estáveis em altas temperaturas, o que significa que podem percorrer todo o caminho através da cadeia de suprimento de alimentos.

Com a produção de micotoxinas, o crescimento fúngico pode alterar as propriedades químicas e físicas da ração animal, bem como o teor de nutrientes dos grãos. Como os grãos são fundamentais para o crescimento nutricional dos animais de produção, sua qualidade faz uma diferença significativa na produtividade e no lucro obtido na criação destes animais. Agricultores, criadores de animais, manuseadores de grãos, processadores de alimentos e distribuidores desempenham um papel importante no monitoramento da qualidade do grão. Para testes de grãos no laboratório ou no campo, a EnviroLogix oferece kits precisos para diagnóstico de micotoxinas no trigo.

Micotoxinas em Grãos, Sementes e outros Produtos

MICOTOXINAGRÃOS MAIS CONTAMINADOSEFEITOS DA INGESTÃO
Deoxinivalenol / também denominado DON e VomitoxinaTrigo, Milho, CevadaToxicologias humanas. Tóxico para animais, especialmente porcos
ZearalenonaMilho, TrigoIdentificado pela Agência Internacional de Pesquisa em Câncer (IARC) como um possível carcinógeno humano. Afeta o sistema reprodutivo em suínos fêmeas
Ocratoxina ACevada, Trigo e Muitos Outros ProdutosSuspeito pela IARC como carcinógeno humano. Carcinogênico em animais de laboratório e porcos
FumonisinaMilhoSuspeito pela IARC como carcinógeno humano. Tóxico para porcos e aves. Causa da eucoencefalomalácia equina (ELEM), uma doença fatal para cavalos
AflatoxinaMilho, Cevada, Trigo, Amendoim e Muitos Outros ProdutosAflatoxina B1 e misturas de ocorrência natural de aflatoxinas, identificadas como potentes carcinógenos humanos pela IARC. Efeitos adversos em vários animais, especialmente galinhas